quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Pessoas.

Quanto mais conheço certas pessoas, mais me quero afastar delas...
era só isto.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A informação que faltava!

A culpa não deles, nem é do tamanho! É da vagina flácida!

Tudo a levantar pesos, vamos lá!

domingo, 19 de janeiro de 2014

Odeio bloggers modernas!

Ainda com o tema da blogoesfera da actualidade:

Odeio estas bloggers modernas!


Noutros tempos, uma pessoa lia blogs com temas genuínos! Confissões genuínas, dúvidas, anseios e até aquelas merdas que passam pela cabeça e não se diz a ninguém. Problemas a sério, outros mais ou menos, ou apenas um ou outro devaneio literário.
Estas bloggers modernas são todas umas grandes super mulheres!
São super mamãs, com dúvidas a sério mas rapidamente solucionadas! São super donas de casa, cozinham umas merdas, tiram umas fotos e toda a gente adooooora aquela porra que elas fizeram. São super super bloggers-amigas sempre com uma solução na ponta dos dedos para as suas leitoras (ou fãs) pronta a ser debitada como post (há coisas que sinceramente acho que é sonhado durante a noite, e colocado em post como uma dúvida real, de uma pessoa real, mas que nunca aparece para dizer "obrigado"). São super no trabalho! São super de modaaaa! Tiram fotos dos seus looks, das suas escolhas e publicam! São super contentes e positivas! São super tudo! E nunca têm problemas, e quando os têm são coisas como: visto azul ou branco para ir aquela reunião importante? E ainda! São super incisivas e criticas das outras e deste mundo e do outro, super engraçadas! 

Odeio bloggers modernas!

E  se aparece alguém a pisar-lhes os calos? Caluda! É tudo inveja, dor de côto e procura de protagonismo à sua conta!

A sério. Odeio bloggers modernas!

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Volto, não volto?

Tenho tanto, mas tanto para partilhar (ou desabafar).
Muitas vezes já quis voltar, mas depois olho para a blogoesfera e perco a vontade toda.
A blogoesfera era um sitio de partilha, de escape, de desabafo, de brincadeira e de muito anónimo parvo, é certo, mas, ainda era um sítio anónimo, onde havia verdade, reais partilhas e um sitio onde eu me sentia bem e sabia que não precisava de fingir, de ceder, de me "vender" como pessoa ou como bem ou como mais valia ou como tudo o que fazemos todos os dias, nas famílias para não melindrar sentimentos, no emprego para não o perder, ou na sociedade para não sermos excluídos (bem, acho que daqui que há muito fui excluída). Havia quem concordasse contigo, havia quem discordasse e o dissesse sem problemas. Tive, nesses tempos, ainda que algo imberbe, das melhores discussões (ou debates) da minha vida. E dessa altura, saltaram para um patamar mais pessoal, algumas pessoas.
Com o passar do tempo a blogoesfera passou a ser um sítio de interesses. De "rodas" onde apenas uns entram e outros ficam de fora. Dos blogues de moda e da mendiga às marcas por envio de produtos grátis porque influenciam diariamente um colhão de pessoas (ou idiotas?), dos blogues de mamãs (ou de moda infantil?) onde se partilham cenas de bebés, percentis, gracinhas e se mendiga às marcas o envio de cenas porque se influenciam um colhão de mamãs (ou mamãs idiotas?). AH! Também apareceram os passatempos, onde se oferecem um sem número de cenas sem interesse nenhum, como um creme para a cara que vinha preso à revista Caras para angariar novos fãs (ou papa-passatempos?)... 
...ou seja...
A blogoesfera tornou-se num sítio de interesses, de grupinhos onde não se pode entrar, quer dizer, pode-se, se tivermos alguma coisa para oferecer, ou influencias para partilhar ou vender, caso contrário, ficamos numa blogoesfera pequenina de 1, abandonados ao cantinho sem piada, de gentinha pequenita... coitadita, tanto disparate...

A ver bem, se calhar até me dá jeito voltar. Fico aqui, no meu cantinho, vou desabafando os meus disparates, os meus inconfessáveis sentimentos e sentidos para eu ler. Sem interesses, nem vendas, sem modas (talvez um pouco, mas sem querer borlas ok?) sem salamaleques que ser a melhor e mais fofa e mais querida e mais na moda e mais queéquéqueé mãe do mundo.  Com muitas dúvidas, muitas patas na poça, muitos anseios e muita cena que passa na vidinha e no corpinho (como passar a ferro e limpar a casa e aturar as filhas!).


Tipo, meu deus... no que me tornei afinal?

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Eu juro que é desta que dou em maluca.

Agosto sozinha com as 2 filhas em casa.
Uma com quase 4 anos, a outra com 14 anos.

SOCORRO.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Actividade Nocturna


Ele- Queres saber uma lenda sobre Figueiró dos Vinhos?
- Sim.
Ele – Ouvi na Antena 1 num programa sobre lendas de Portugal.
- Conta
Ele - Então, o Rei naquela altura, para conquistar as terras aos mouros, ofereceu lá ao mahamed da zona 6 virgens caso ele o ajudasse a conquistar as terras.
Vai daí, até conseguiu conquistar as terras e lá mandou uma caravana com as 6 virgens para entregar ao muçulmano.
Apareceu um cavaleiro e não gostou nada de ver aquilo e foi até à caravana e pumba pumba pumba, começou a dar cabo daquilo tudo.
- Ehhh pá, ganda homem. E conseguiu dar cabo delas todas?
Ele - Claro, e até casou com uma delas.
- Interessante.
Ele – É por isso que o brasão de figueiró dos vinhos tem um brasão com 5 parras. Que simbolizam as 5 virgens que o cavaleiro salvou do muçulmano.
 - Parras? Deve ter sido o que sobrou depois do cavaleiro lhe ter tirado a virgindade.
Ele -  O cavaleiro ter tirado a virgindade?
- Sim. Então o cavaleiro não mandou uma pinada nas virgens todas para que o muçulmano não ficasse com as virgens?
Ele – Mas donde tiraste tu essa ideia?! Ele salvou-as!
- Então, tu disseste que ele foi “pumba pumba pumba e deu cabo daquilo tudo”, e eu pensei que ele tivesse desvingindado as gajas todas para que o muçulmano não ficasse com virgens!
Ele (a rir) – Nãããoooo, ele matou o pessoal da caravana e salvou as virgens. Achas que uma lenda de Portugal  envolvia sexo desse nível.
- Era uma lenda muito mais interessante. E muito mais bem feito para o muçulmano, recebia gajas, mas já iam todas escanchadas.
Ele (a rir) – Vamos dormir.


.....


domingo, 16 de dezembro de 2012

Eu devia mudar o Titulo do Blog para Retratos de uma Aragana casada com um Loirinho Terrível, uma adolescente mal-disposta e uma piolha que não diz os Ls.

Tenho dias...

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Miúda imberbe qu'eu era.

Sobre o meu post de 2 de Março de 2007...

http://aragana.blogspot.pt/2007/03/bimby.html


Epá.. mas faz licores, baileys caseiro, caipirinhas, sangria e etc e tal.

Ainda não faz cerveja.... (AINDA!) .. mas foram dos 900 aérios que mais bem gastei.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Pois é!

Depois de muita cena nos últimos anos (eu disse, anos?) ( e sim Alien, um bebé dá MUITO trabalho), cá estou. Venho sempre parar ao blog.

Tantas e tantas vezes que me deu para aqui escrever. O problema? Normalmente era a meio da noite, quando estava deitada na cama da minha Araganita The Second a tentar que adormecesse. E tinha muita coisa gira para escrever! O maior problema? A privação de sono a que estive sujeita nos últimos 32 meses não permitia sequer grandes articulações mais elaboradas, quanto mais escrever.
Sim, eu disse 32 meses de privação de sono. De noites mal dormidas. De dias e dias com 3/4 horas de sono seguidas. Nos primeiros 5/6 meses a solo, depois partilhadas com o Loirinho, claro.
O resultado?
Bom, muitas discussões, tolerância zero, quase que andámos à pancada às vezes, e no final, o discernimento de perceber a causa dos nossos ataques de nervos e prova superada.

Então e o que mudou?
Alguém nos disse que (não vão acreditar nisto!) a disposição da cama no quarto dela estava mal, e segundo o Feng Shui, ela estava numa auto-estrada de energia, por isso não conseguia dormir ou descansar devidamente. QUe devíamos de mudar a cama para o outro lado do quarto.
Cépticos mas desesperados, assim fizemos. Mal não ia fazer, não era nenhuma mezinha estilo; atirar a cachopa do terceiro andar e ser apanhada por uma rede-apanha-sonhos dos índios do faroeste, ou mesmo exorcizar à chibatada o seu karma do sono!

E não é que começou a dormir? Oh, abençoado sejas Feng Shui que nos ensinas a ver as canalizações  e juntas de energia do nosso mundo!
Amén.

Beijos e queijos.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

segunda-feira, 14 de junho de 2010

...

... todos temos os nossos demónios. E de vez em quando, aí vêm eles, cheios de força puxar-nos as pernas. E nós caímos...

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Educar...

.. está a revelar-se tão dificil.

A Araganita não ouve nada do que eu lhe digo. Ou melhor, ouve, mas não quer saber. Da escola então, se eu não a obrigar a estudar, tira zeros. Desarrumada, respondona, mentirosa...

Oh vida... já tentei de tudo, acreditem... pedo-psiquiatra, psicologo, coaching... prémios, dá, tira, entusiasma... objectivos... o diabo a sete! Até porrada.... NADA.

Neste momento, vou entrar no do "deixa-andar"... pode ser que se chumbar, abra a pestana... é o tudo ou nada.

Foi um desabafo. Mas se tiverem dicas, serão muito bem vindas. Quem já fez tudo, já está por tudo!



(este post é escrito de lágrimas a saltar e nó na garganta... há dias assim)

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Como ir à casa de banho sem incomodar quem vem depois

 1 - Remover a roupa da cintura para baixo, como levantar a saia e baixar as cuecas, ou baixar as calças e as cuecas ou boxers e assim.
2 - Sentar na sanita.
3 - Fazer força e ao mesmo tempo colocar a mão que der mais jeito para trás, estrategicamente na alavanca ou botão do autocolismo.
4 - Puxar o autocolismo ao mesmo tempo que se continua a fazer força. Repetir a operação se necessário.
5 - Limpar-se em conformidade com o grau de higiene que possui.
6- Puxar o autocolismo novamente e verificar se a sanita está limpa. Em caso negativo, usar o piaçaba.
7 - Lavar as mãos.
8 - Se acabar o papel, favor colocar outro porque ele não nasce no rolo.

Obrigado por manter o ambiente limpo e saudável!



Acham que fica muito mal eu afixar este processo na porta da casa de banho aqui do trabalho?

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Este é cá dos meus!

Mourinho dá opinão sobre Selecção

A ver se acaba logo na primeira fase que já não se aguentam os feelings!

E no final...

Pagamos todos pelo buraco que nos enfiaram.

Vá, vão lá para a rua protestar.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Serei só eu?

A achar que a malta da Grécia está toda maluca? 4 greves gerais para quê? O governo inventar dinheiro?

.. e sou só eu a achar que o nosso primeiro é ... como hei-de dizer isto... a.... parvo? (mas atenção, não acho de todo que medidas para nos tirar do lodo sejam parvas...). É que a simplicidade, humildade e outras coisas acabadas em "ade" ficam bem.
Os tipos da esquerda só estão a fazer o trabalho deles. Irresponsáveis? Porquê? Eles alguma vez na HISTÓRIA TODA, foram responsáveis? Não, pois não?

Por isso, é que eu sou de direita.


segunda-feira, 10 de maio de 2010

...é a crise!

...fado, futebol e fátima!


F***see

Só eu é que acho que sou de outro planeta?

quarta-feira, 5 de maio de 2010

O meu chefe...

... está na sala de reuniões a fumar à janela e a peidar-se.

Eu acho que ele pensa que não se ouve.

Estou a gostar TANTO.. mas TAN-TOOOO

...da temporada 5. Com muito rock do bom à mistura e claro... o DEAN... O DEAN!!! (sim, porque desde que o irmão andou a chupar sangue de demónio que estou zangada com ele)

Isto hoje tá pegando fogo!

.. e é tão triste.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Perdi 1 kg...

... mas depressa o ganhei com o TPM.

Damn.

E a minha prima a queixar-se que não tem roupa e que teve de ir comprar calças 34 porque está tudo largo e bla bla bla.

Se não fosse do meu sangue, chamava-lhe nomes...

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Happy Birthday to me!

Nesta data queridaaa... lá lá isto depois dos 30 é sempre aviar cartuxo.... lá lá e ainda "ontem" em festejava 26 aninhos com voceses nas internetes... lá lá lá

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Diário da Dieta

(Eu sei que o Diário da Dieta é recorrente, mas não podia deixar de partilhar porque eu estou quase, quase quase a enlouquecer!)


Querido Diário,



Hoje começo a fazer dieta. Preciso perder 8 kg. O nutricionista aconselhou-me a fazer um diário, onde devo colocar a minha alimentação e falar sobre o meu estado de espírito.

Sinto-me de volta à adolescência, mas estou muito empolgada com tudo.

Por mais que dieta seja dolorosa, quando conseguir entrar naquele vestido preto maravilhoso ou naqueles jeans justíssimos, vai fica tudo bem.



*Primeiro dia de dieta*:



Um queijo branco. Um copo de batido. O meu humor está maravilhoso.

Sinto-me leve. Uma leve dor de cabeça talvez.



*Segundo dia de dieta*:



Uma saladinha básica. Algumas torradas e um copo de iogurte. Continuo a sentir-me maravilhosa. Doi-me um pouco mais a cabeça, mas nada que uma aspirina não resolva.



*Terceiro dia de dieta*:



Acordei a meio da madrugada com um barulho esquisito. Pensei que fosse um ladrão, mas passado um tempo apercebi-me que era o meu próprio estômago.

Fui beber um litro de chá. Mijei o resto da noite.

Nota. Não beber chá a meio da noite.



*Quarto dia de dieta*:



Começo a odiar salada. Sinto-me uma vaca ruminante.

Estou irritada. Deve ser desde tempo de chuva, tanto que a minha cabeça parece que vai explidor-

A minha colega comeu bife com babatas fritas ao almoço, mas eu resisti.

Nota: Odeio a minha colega.



*Quinto dia de dieta*:



Juro que se vejo mais queijo fresco à minha frente vomito! Durante o almoço, acho que a salada riu-se de mim.

Hoje gritei com o estafeta e com a minha colega. Preciso de me acalmar.

Comprei uam revista com a Gisele Bunchen depois de ter bebé. É a minha meta.

Estou focada no objecrtivo! Força!



*Sexto dia de dieta*:



Estou exausta Não dormi nada de noite. E o pouco que consegui dormir, sonhei com profiteroles. Acho que hoje matava alguém por um profiterole.



*Sétimo dia de dieta*:



Fui ao nutricionista. Emagreci 250 gramas.

NÃO PODE SER! Comi ervas a semana tod e perdi 250gramas! O médico explicou que é normal. Que as mulheres demoram mais para emagrecer e que o metabolismo é mais preguiçoso com a idade.. O FDP chamou-me gorda e velha!

Nota: Procurar outro nutricionista.



*Oitavo dia de dieta*:



Fui acordada hoje por um frango assado. Juro! Ele estava à beira da cama, dançando can-can.

Nota: O pessoal do escritório começou a olhar para mim de forma estranh. A minha colega diz que eu estou meio alienada.



*Nono dia de dieta*:



Não fui trabalhar hoje. O frango assado voltou a acordar-me mas a fazer a dança-do-ventre. Passei o dia no sofá a ver TV. Tos os canais deram receitas, todos!. Aprendi a fazer Torta de morangos, feijoada de choco e carne de porco alentejana.

Nota: Comprar outro comando, num acesso de fúria, o meu voou pela janela.



*Décimo dia de dieta*:



ODEIO a Gisele B.



*Décimo-primeiro dia de dieta*:



Dei um pontapé no cão da vizinha, gritei com o segurança do prédio, o estafeta recusa-se a entrar no meu gabinete, os meus colegas encostam-se à parede quando eu passo e o meu chefe já nem fala para mim.



*Décimo-segundo dia de dieta*:

Comi sopa o dia todo.

Nota: Não jogar pôquer com o frango assado. Ele faz muito bluff.



*Décimo-terceiro dia de dieta*:



A balança não mexeu. Ela não se mexeu! Não perdi uma grama!

Comecei a rir à parva. Assustado, o nutricionista sugeriu um psicólogo. Acho que chegou a falar em psiquiatra. Será que é porque ameacei partir-lhe a cabeça com a balança?

Nota: Não volto mais ao nutricionista, o frango disse-me que ele é um charlatão.



*Décimo-quarto dia de dieta*:



O frango me apresentou uns amigos. A picanha é muito divertida, e a torta, embora meio mau-feitio, é um doce.



*Décimo-quinto dia de dieta*:



Matei a Gisele B! Cortei-a em pedacinhos e todas as fotos de modelos magrérrimas que tinha em casa.

Nota: O frango e seus amigos estão chateados comigo. Comi uma fatia do Sr. Pão. Mas foi em legítima defesa. Ele ameaçou-me com um chouriço!



*Décimo sexto dia*:

Acabou.se a dieta. Chateei-me com o frango, recheei-o com o chouriço e comi-o com o pão.Aarrematei com a torta. Ela realmente era um doce...

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Querem a minha morada?

Mas só se for para me enviar isto! Da Maria Sapato!

tá?


.. que eu tô carente.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

sUpinha

Se há coisa que eu detesto é sopa.

Já vos tinha dito que detesto sopa? Não? DE-TES-TOOOOO SOOOOPAAAAAAAAAAAAAAAA!

E quem está à dieta? EU... e o que como eu? SOPA.

Sopa é a mixórdia de legumes com carne ou peixe que alguém inventou para não ter trabalho. Depois de se inventar a varinha mágica, alguém que queria ter pouco trabalho a comer (assim dessas pessoas insanes que há por aí, assim esquisitinhas que não gostam de nada e não comem nada e não gostam de marisco, nemm de chanfanas, nem de massa, nem de arroz, nem de enchidos, nem de feijoadas, nem de guisadinhos, nem de nada) ainda inventou o creminho de legumesinho!

E uma pessoa come, e devagar, assim mandam os nutricionistas para que enchamos o estômago, e come e come e no fim fica com cara de periodo, porque aquela porcaria-mixórdia-de-legumes sabia a... legumes.

E... ATENÇÃO... A Aragana Maria até coze legumes e depois mistura iogurte natural com alho esmagado e coentros e mistura tudo! E a Aragana até faz couscous e mistura com alface e legumes cozidos e mete um xiripiti de caril no meio daquilo tudo e .... mas estou a começar a ficar sem ideias.... snif!

Exercício?
Também faço! Alguns 200 abdominais por dia. Vou correr ao fim de semana com a amiga e ainda faço eliptica.

Mas isto tudo era só para dizer: ODEIO SOPA.. tá?





tá.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Oh, paciência.

Que os gajos são sacanas, já sabemos.
Que os gajos só pensam neles, também.

Agora que o Loirinho tenha tido a ideia de me oferecer um Iphone para o meu aniversário, além de sacana, é pensar só nele em demasia!!

- Ah e tal, tava a pensar em oferecer-te um Iphone.
 - PORQUÊ?!?!?!?!?!
- Tão... sapatos é uma coisa que tu tens muito, e eu gostava de te oferecer assim uma coisa especial e sapatos não é especial...
 - NÃO É ESPECIAL PARA QUEM?! Quem quer um Iphone és tu, não sou eu!
- Ah, ias ver que ias gostar... aquilo tem gadgets TÃO GIROOS...
- OLHA, TÁ MASÉ QUIETO!




Também era pedir demais a quem me pergunta "quanto é que eu calço?" quando entra numa sapataria...

DAMN

segunda-feira, 19 de abril de 2010

sábado, 17 de abril de 2010

Sushi...


....não engorda POIS NÃO????????




é que eu comi até rebentar... (shiuuuu)

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Ora bem!

Depois de uma gravidez atribulada, de ter bebé, de estar 5 meses de baixa de maternidade e ter regressado ao trabalho... eis-me!
Mais gorda 8 kgs e à briga com eles há já um tempo, pois a amamentação não me permitiu fazer nenhum tipo de dieta, dei agora início a uma dieta (não muito rigida), com o intuito de tudo isto ir ao sítio.
Mas tenho uma novidade pra voceis! E que também é a causa do meu aumento, excessivo, do peso! deixei de fumar mesmo! Já fez 1 ano e 4 meses que deixei de fumar! lá lá lá...

Mas não falemos de coisas tristes (não é do tabaco, é da gordura e dos tops largos que uso)... vamos falar do estado do país. (ah, ah.. sou tão gira....)


Ok. Já passou.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Mim 1 Chefe 0

Hoje o chefe ouviu das boas, ah pois ouviu!


Já tinha saudades, ah pois tinha!

Mi aguardem!

sexta-feira, 19 de março de 2010

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

A maternidade, capitulo I

Um outro lado.

Ser mãe pela segunda vez é tão ou mais empolgante e novo como a primeira. Até porque a primeira vez foi em 1999 e 10 anos depois tcharam! Mãe novamente. São dois patamares completamente diferentes. Compro soutiens para uma filha e fraldas para a outra. Mas eu também estou diferente.
Tirando o embevecimento aparvalhado com que andamos durante os primeiros dias (nem me atrevo a dizer semanas), a maternidade torna-nos mulheres diferentes, muito diferentes. Tão diferentes que eu não me conheci no espelho durante todos os últimos 4 meses, até há uns dias. Sou menos “minha” e passei a ser mais delas. Passei a ser mãe a dobrar e menos eu. E quando falo do “eu”, é do “eu” anterior, continuo a ser um “eu” mas… diferente. A essência é a mesma, os princípios também. Nada melhor para entender isto do que a nossa visão das outras quando passam a ser mães.

É verdade. Lembrem-se da vossa reacção quando souberam que a fulana estava grávida. Ou quando souberam que a filha adolescente da vizinha do 3.º está grávida. Claro. A visão que se tem dessa pessoa muda tanto como muda o corpo de uma gestante. Sabemos que a nossa amiga grávida vai deixar de ter tempo para ir tomar café a toda a hora, ou a qualquer hora, aliás, deixou de tomar café para tomar leite ou sumo natural. Que as saídas não só ficaram adiadas nos próximos tempos como diminutas (já para não dizer nulas nos próximos anos… quem tem vontade de ir sair, deitar-se às 05 e estar a dar pequeno almoço às 07H?!) e que as conversas deixam de ser em torno de homens, roupa e sapatos para ser sobre sintomas de gravidez e consequentemente, sobre peso, crescimento, papas e bolçadelas. É duro. Possivelmente, daqui a uns 3 anos a amiga voltará a estar mais perto. Pois é.

Mas ia eu a falar de quanto mudamos. Passamos a ser mães. Não só mães dos nossos filhos como mães de toda a gente que nos pergunta desde a gestação “então mãmã, como está hoje?”, coisa irritante que fica para desenvolver numa próxima vez. Passamos a ser esse modelo de comportamentos exemplares e alvo de farpas vindas de todo o lado sempre que se julga existir uma falha, ou quando falhamos mesmo, já que eu não sou perfeita e ainda estou para conhecer essa pessoa – a Sr.ª perfeita-que-nunca-errou.
Mas mudamos, ah, e quanto mudamos. E quando nos procuramos no espelho, encontramos uma gaja deformada e flácida, com uns quantos quilos a mais que teimam em não sair, com olheiras fundas de noites mal dormidas e uma constante vontade de assaltar o frigorífico. (E depois ainda temos as velhas que nos encontram, olham-nos de cima a baixo e dizem: “A Fátima Lopes perdeu mais de 16 kgs depois de ter o filho, sabias?) Temos o progenitor em casa que sempre que pega no bebé e ele chora pergunta: O que é que eu faço? O que é que ele(a) tem? - E que não faz a menor ideia nem entende ( e duvido que tenha intenções de entender) de quanto nos soube bem aquele pequeno momento de descontracção, e que nos leva a dizer após de 5minutos de incapacidade: - deixa estar, eu faço.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Abandono

...é como está o blog.

Muita coisa acontece ao mesmo tempo e não me tem apetecido...

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O Parto - Continuação

O Loirinho ria mas não conseguia esconder um nervoso miudinho muito grande. Mas estava em grande. Para quem quase tinha desmaiado na primeira aula PPP por causa de conversa de cordões e hérnias, o meu Loirinho estava em grande. A adrenalina do momento estava a dar as cartas. Observou onde tinha a epidural, o meu cateter com sangue não lhe causou tremeliques e ali estava ele de pedra e cal a dar-me apoio!

5 dedos de dilatação- ouvi a enfermeira dizer à minha obstetra.

Passado uma hora rebentaram-me as águas mas continuava com 5 dedos de dilatação. Quero uma “OP” para a sala 1 se faz favor! – Acho que foi isto que percebi a minha médica a pedir. Mas como ela é uma querida e percebeu a minha cara de inquérito, lá me explicou que iam dar ocitocina para ajudar à dilatação, que estava muito lenta.

Passado uma hora voltei a sentir as dores das contracções e quando a enfermeira apareceu perguntei se podia voltar a levar mais anestesia, mas já não dava, eu já estava quase pronta para ter a Araganita The Second.

De seguida apareceram duas parteiras; uma experiente, outra ainda a aprender. Agora assim que tiver vontade pode começar a fazer força. – Mas não dá mesmo para eu levar mais anestesia? – Minha filha. Se levar a repicagem pode ficar sem força para ter a bebé. Palavras sábias que foram buscar todas as forças que eu tinha para aquele momento.

A vontade de fazer força chegou. Agarrada aos joelhos, fiz toda que tinha e mais alguma. O Loirinho estava lá a dar o apoio que eu precisava, apesar de estar de olhos fechados sentia-o ali ao meu lado, ouvia tudo o que me dizia: Estás a portar-te lindamente. Força. Vá, respira. Já não falta muito. Eu estou aqui. Estás a fazer tudo bem. AGORA NÃO FAÇA FORÇA – Disse de repente a parteira. Eu sabia o que aquilo queria dizer. O Loirinho também e viu a rapidez com que tiraram o cordão umbilical do pescoço da menina. Olha a nossa filha Aragana! – Inclinei-me mais, abri os olhos e lá estava ela, linda, perfeita, roxinha. No quarto entoou o seu primeiro choro. Estiquei-lhe os braços e puxei-a para mim. Encostada ao meu peito, beijei-a e chorei. Corriam-nos as lágrimas de felicidade. Ali estava a nossa filha.

O Loirinho cortou o cordão umbilical e junto com a parteira levou-a para fazer as rotinas. Tudo mais que OK. Índice de Apgar: 10! 3,580Kg e 49,5cm!

Quando voltou, foi imediatamente colocada no meu peito. Não sei quando tempo mamou, porque nós perdemo-nos naquele momento, na sua intensidade.

O dia 30 de Setembro vai ficar para sempre na história. Na nossa história.

E quase um mês depois, quase 1 kg depois, continuamos envolvidos na intensidade da chegada deste novo ser na família. Loirinho, Araganita, eu; estamos perdidamente apaixonados pela Araganita The Second. Linda, mamona (2 em 2 horas com pontualidade britânica! Imaginem o cansaço de quem não dorme seguido mais que isto e anda sempre de mamas de fora!) enérgica, sossegada e muito bem disposta!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

O Parto

O parto da minha Araganita mais velha já tinha sido bonito e muito emotivo. Garanto, a todos aqueles que ainda não sabem o sabor da maternidade/paternidade que é o momento mais marcante da nossa vida. Não há igual. Mas, o parto da minha Araganita The Second foi não só lindo, como muito mais rápido!

O meu irmão Aragano já há alguns dias, que na sua preocupação, vinha fazer-me companhia nas tardes abafadas de mais de 30 graus de final de Setembro. As duas últimas semanas foram pautadas, não só pelas eleições e campanhas eleitorais, mas de contracções irregulares e perdas de rolhão mucoso com fartura, o que me deixava ainda mais ansiosa e sempre à espera do começo do trabalho de parto. Até ataques de ansiedade tinha. Quase não comia devido ao refluxo e azia, e mexer-me já era uma tarefa muito complicada. Houve minutos que chorei de frustração pelas minhas limitações.

No dia 29 de Setembro, estava como meu irmão a ver a turboTV (imagine-se… rali amador em Inglaterra!) e a debater alegremente a potência dos carros, quando reparo que as contracções estavam a vir de forma regular há já algum tempo. Eram 17 horas. Comecei a contar e sim, vinham de 10 em 10 minutos. Cerca das 18h20m liguei ao Loirinho a dizer que era melhor dar um salto à maternidade para verificar se o trabalho de parto já tinha começado. Não tinha a certeza absoluta porque a dor não era assim muito grande e algumas contracções continuavam a falhar nos 10 minutos.

Enviei a minha Araganita com o meu irmão para a avó, sossegando-a que tudo iria correr bem e lá parti para a maternidade.

Chegada e ligada ao CTG, lá estavam elas, as contracções de 10 em 10 minutos. O colo permeável a 2 dedos, mas dado o meu historial de não fazer dilatação rápida, disseram-me para ir passar a noite a casa e para voltar no outro dia de manhã. Volte esta noite se as dores ficarem mais fortes, ok? Ok.

A noite foi longa. O Loirinho dormia. Às 7 em ponto deixei o despertador tocar e disse ao Loirinho que tínhamos de ir para a Maternidade. As dores estavam mais fortes e de 5 em 5 minutos. Mais 5 minutos amor… E eu deixei-o dormir mais 5 minutos. Fui tomar banho, vesti-me e ainda tomámos o pequeno-almoço. Uma tosta mista e sumo.

A viagem correu normal em hora de ponta Lisboeta. Os solavancos faziam-me confusão. Ainda tentei ouvir rádio mas não dava. O meu arfar de 5 em 5 minutos como mandam os exercícios que aprendi nas aulas PPP eram mais fortes que os locutores da Comercial. O Loirinho só dizia Estamos quase a chegar amor…

Chegados, disse ao Loirinho que não valia a pena deixar-me à porta pois o ideal era andar e ele meteu o carro no parque subterrâneo. Mas hoje vejo que foi uma má escolha porque fiz uma figurinha linda a parar em todo o lado para ter mais uma contracção e bufar e arfar.

Claro está que fiquei internada, mas ainda só tinha 3 dedos de dilatação. Os enfermeiros metiam-se comigo por estar tão bem comportada e a fazer tão bem os exercícios! Enquanto era ligada ao CTG na sala de parto dizem-me que tenho de ceder a sala para uma parturiente que entrou de urgência e lá fui eu recambiada para uma sala de partos mais “humanizados” que, pasmem-se, estava sempre vazia! Pudera. Nesta altura pergunta-me a enfermeira se eu queria a epidural, ao que respondo: quero! quero! quero! quero! Mas não sei se a posso levar por causa de uma estúpida tatuagem que fiz há uns 9 anos no fundo das costas.Menina, claro que vai levar a Epidural que hoje está cá um anestesista que encontra aí um espacinho e dá-lha. Não se preocupe. Eram 11 horas.

As dores começaram apertar e eu já não arfava, já bufava tipo o lobo mau a tentar deitar abaixo a casinha de tijolo dos 3 porquinhos. Enquanto a tipa que ficou no meu quarto paria, lá vinham os enfermeiros falar comigo e eu lá conversava sobre carros, sobre a bimby e sobre outras cenas, mas a verdade é que cada vez que vinha mais uma contracção, eu já via bolinhas de todas as cores e elefantes a andar de bicicleta. Já não aguentava mais. Já não bufava, já gania. O enfermeiro perguntou-me onde estava o marido. – Deixe-o estar lá fora! Traga-me o anestesista, por favor! Eram 12 horas. Então, estava a portar-se tão bem… - Eu QUERIA continuar a portar-me bem, mas NÃO CONSIGO!!!

Pouco depois o meu quarto vagou e lá fui eu de soro na mão a perguntar a todos pelo anestesista e a jurar que iria remover a tatuagem assim saísse dali e a dizer à minha obstetra que “aquilo” estava mau…

Pouco depois chegou o anestesista com a enfermeira que lhe dizia que eu tinha uma tatuagem e que eu tinha medo de não poder levar a epidural. Mas o Dr. que se ria do meu “medo” (principalmente depois de ter constatado que a minha tatuagem era uma dragão pequeno) disse que ia arranjar um “espacinho” e arranjou.

Cerca das 13 horas lá trouxeram o Loirinho que me viu com um sorriso enorme. I love drugs dizia-lhe eu. Mas ele não sabia as 3 horas negras que eu tinha tido mais atrás. Parto humanizado? Mas há lá coisa mais humana que parar as dores?...Gandas malucas… Uh uh uh.. gosto taaanto de ti meu Loirinho…

Ele ria-se.



Continua…

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Pessoal!

Obrigado por todos os comentários! Que bom ser assim acarinhada por aqui!

Tenho um artigo que está a ser escrito "às mijinhas". Enquanto me adapto aos horários da Araganita mais pecanina, e ela se adapta ao mundo.
Creio poder terminar entre hoje e amanhã.

Inté lá, obrigado mais uma vez pelas visitas, preocupação e comentários :-)

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Nasceu a Araganita The Second

A minha princesa nasceu linda e saudável com 3500kg e 49 cm.

Mama como uma doida e já impõe respeitinho quando abre a goela. Sai à mãe, dizem vós :-)

Por hoje é só o que há para dizer. Não durmo há 3 noites. Mas vocês merecem.

Uma foto. Será a única. A indispensável. A obrigatória. Claro.
Obrigado pelas palavras de apoio e de "horas pequeninas" (foram uma companhia). Depois contarei como foi a minha "hora".

domingo, 27 de setembro de 2009

Confirma-se. A malta não tem juizo.

Esqueceram-se das manifestações todas dos últimos 4 anos. Esqueceram-se da politica bulldozer do quero-posso-mando-faço-se-não-sais-da-frente-levas, esqueceram que um jornal foi silenciado às portas das eleições, esqueceram... tudo.

E prontes. Deixa-me falar enquanto posso.

E perguntam vocês; O que eu acho mesmo, mesmo, mesmo? MESMO? MESMO? MESMO?

A malta gosta é de andar com eles apertadinhos.





PS - A Abstenção é uma VERGONHA. Digam o que quiserem. Que não sabem, que não conhecem, que não apetece, que é forma de protesto.
Não há desculpa. A abstenção é uma vergonha.

sábado, 26 de setembro de 2009

40 semanas

Isto tem sido difícil, bastante difícil.

A gravidez não tem sido fácil, eu não tenho sido fácil, as pessoas não são fáceis e umas chatas do caraças.

Para além das frases do: Então, ainda aqui andas? E das respostas: Não. Estou sossegada em casa com a minha bebé e mandei o meu holograma para cá! ( E quem me dera poder fazer isto!)
E das pressões: Atão, essa rapariguinha não nasce? Ai, tás tão graaaande! Tadinhaaaa...
O que eu desejava mesmo era um pouco de paz principalmente neste recta final, o que é, ainda, mais difícil.

Pausa.

Mas o que me preocupa mesmo, agora, é o depois. Sim, depois da minha filha nascer como vou eu gerir as visitas cá em casa? A maternidade tem um plano de contingência por causa da gripe A em que só autoriza 1 pessoa a acompanhar a grávida durante o processo de internamento, no caso, o progenitor. Depois, bom, depois vamos para casa e gerimos nós.

Eu juro que não quero ficar paranóica, mas epá, se a maternidade tem tantos cuidados, será assim tão mau eu também ter alguns?

Preocupa-me imenso o facto de os familiares quererem beijar a bebé. Até porque ninguém sabe ver com os olhos...
Preocupa-me o facto de levar rótulo de anormal ou hipocondríaca ou isso. E então eu vos pergunto:


Será excesso de zelo que pedir às pessoas para desinfectarem as mãos antes de entrar cá em casa (já tenho um daqueles frascos desinfectantes de hospital que o meu irmão arranjou no hospital) e usarem máscaras cirúrgicas para ver a menina e não deixar que lhe peguem?

Será?

É que o Loirinho já me torceu o nariz à medida...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Sabem que mais?

Estou FARTA de ouvir o telemóvel e o telefone cá de casa!










Só me apetece chorar...

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Araganita e as Eleições

Eu acho que a Araganita Mini não quer nascer já para permitir que sua mãe The Queen Aragana vá votar no Domingo! (se bem que só se tiver internada é que não voto.O que eu acho mal, devia de existir uma urna para as mães votarem ou alguém que fosse levar uma urna à cama das recém-mamãs que quisessem votar - mas isto sou só eu!)

Sim, porque depois desta cena do "queres magalhães, vota PS" a minha vontade de votar ainda é maior! (eu estou a falar a sério...)